Perguntas sobre a cultura no Marrocos

A cultura marroquina tem muito a nos oferecer e ensinar?

Viagem de 2 Dias - Deserto de Merzouga desde Fes

Sem dúvida que o Marrocos é um país rico em cultura e história. O turismo em Marrocos é forte e oferece oportunidades que nenhum outro lugar pode dar. Praias fascinantes, montanhas e desertos  se misturam a uma culinária e um povo que preza pela boa hospitalidade.

Um país rico em cultura milenar, o Marrocos recebe 12 milhões de turistas todo ano. Cada um desses viajantes leva um pedaço da cultura de Marrocos com eles. Para quem está acostumado com a vida no ocidente a experiência é deslumbrante, exótica, e única.

Alguns aspectos da cultura marroquina sempre fascinaram o mundo ocidental, e são muito populares atualmente, como por exemplo a tatuagem de henê. Estas tatuagens tem forte peso cultural no Marrocos porque é usada em eventos que marcam fases da vida de uma pessoa, como noivado, casamento e nascimento.

Outra coisa que fascina os ocidentais é a caligrafia árabe. Muito diferente de qualquer outra língua, a caligrafia árabe é escrita da direita para esquerda e em cada letra existe uma variação de 18 figuras e a composição de pontos abaixo dessas figuras têm 28 consoantes.

Claro que aqui temos um pequeno pedaço dessa cultura tão incrível que vem nos ensinando tanto há muitos séculos.

Que idioma se fala no Marrocos?

Zagora Marrocos

No Marrocos são falados vários idiomas, entre eles o francês e o espanhol , mas claro que os oficiais são o árabe e o berbere. O idioma que se fala na rua é o darijá que é o árabe marroquino, muito diferente do árabe oficial. Uma curiosidade a mais é que para fechar negócios, os marroquinos podem usar o francês.

Os idiomas mais falados no Marrocos são árabe, e o berbere que são as línguas oficiais do país, francês e espanhol. Iremos focar apenas na língua árabe apresentando as principais expressões para você ir se familiarizando antes de visitar e se encantar pelas terras marroquinas.

Conheça algumas expressões no Marrocos

Quando viajamos para um lugar completamente novo e de cultura tão diferente da nossa é interessante entender os hábitos locais e agir educadamente.

Sendo assim, as expressões de educação que usamos em todo e qualquer lugar, no idioma árabe seriam ditas da seguinte forma:

Obrigada = Shukran
Não, obrigada! = La’a shukran (bastante utilizada quando o turista vai às lojas e mercados ou para educadamente recusar convites inapropriados)
Desculpe = Assif
Por favor = Min tadlak
Olá = Salam
Sim = Na’am
Não = Laa
Bem-vindo = Marhaban
Parabéns = Mabrook

Na novela “O clone” gravada pela Rede Globo em algumas cidades do Marrocos como OuarzazateMarraquexe, El Jadida, Fes e outras, os espectadores puderam ter um contato grande com a língua árabe por meio das falas dos personagens.

Algumas das expressões que se tornaram mais conhecidas e as mais ditas no país devido às questões religiosas, por conta do islamismo, são:

A paz esteja com você = Salam aleikum (trata-se de uma saudação utilizada frequentemente em diversas ocasiões)
Alaikum salam = resposta à saudação anterior
Graças a Deus = Il-hamduLilah
Se Deus quiser = Insha’allah

Estas formas escritas acima são como pronunciamos as palavras, no entanto, se você ler tais palavras em algum lugar será difícil identificá-las, pois estarão escritas conforme o alfabeto árabe que é representado de maneira totalmente distinta da que estamos acostumados no alfabeto romano. Além disso, na leitura de um texto em árabe a direção é lado direito para o esquerdo.

Aprender algumas palavras e expressões do idioma referente ao país que está visitando além de ser enriquecedor, é uma demonstração de respeito e curiosidade pela cultura local e pela população que o recebeu com tanto carinho e disposição.

O que significa usar roupas brancas no Marrocos?

Casablanca

Sabemos que no Brasil e em vários outros lugares do Ocidente, é costume as pessoas se vestirem com roupas brancas para celebrar a paz e, até mesmo, em comemoração nas festas de passagem de ano, branco é a cor predominante.

No entanto, vestimenta de cor branca ganham um significado bem diferente no Marrocos. Lá, as mulheres usam roupas brancas em sinal de luto. É comum observar viúvas vestindo-se de branco por até quarenta dias.

Como forma de demonstrar seu respeito, na maior parte do Ocidente, por sua vez, as pessoas culturalmente vestem-se de preto nos funerais de entes queridos.

Essa questão das cores nas situações de luto varia bastante de acordo com cada localidade. Embora as mais comuns ao redor do mundo sejam a preta e a branca, ainda vemos pessoas sinalizando seus sentimentos à perda de alguém por meio do uso de roupas nas cores vermelha (na África do Sul), amarela (no Egito), roxo (na Tailândia), azul (no Irã), entre outras.

Não é somente no Marrocos.

Além do Marrocos, em algumas comunidades orientais como China e Japão, também pode-se observar o branco sendo usado nas vestimentas como sinal de luto. Nessas culturas onde o branco representa a morte, essa cor evoca o silêncio e a leveza.

É extremamente importante informar-se sobre a cultura dos países antes de visitá-los para não cometer gafes ou falta de respeito, mesmo sem ter intenção. A cor das roupas usadas em cada ocasião é apenas um dos exemplos de situações em que os turistas devem tomar atenção.

Portanto, agora você já sabe, se for celebrar a virada do ano em Marrocos, nada de vestir-se de branco. E nas situações de luto, saiba que o preto por lá não possui significado de demonstração de sentimentos a perda de um amigo ou parente como acontece no Ocidente.

O artesanato do Marrocos é famoso?

Perguntas sobre a cultura no Marrocos

Existe um artesanato marroquino que tem fama mundial, a dinanderie é a arte fina trabalhada no metal que é muito valorizada na cultura de Marrocos. As peças são feitas através de marteladas e depois são cinzelada para ganharem formas originais, e às vezes uma peça exige 6 artesãos.

O que é o caftan marroquino?

Muito enigmático e fascinante, o caftan é um dos trajes mais antigos e tradicionais do mundo. Antes era utilizado com uma peça de uso diário, mas hoje se tornou um forte símbolo forte da cultura marroquina, e assim só usam esse traje em cerimonias especiais como casamentos e festas. E sobre as festas, muitos ficam curiosos e encantados pelas músicas tocadas em um evento marroquino. Essa música mistura o que era tocado na Espanha e Portugal antes do século 15 com sons africanos das regiões berberes do Magrebe e da África subsariana.

Marrocos vive em um tempo passado?

Rabat Marrocos

Muitos pensam que o Marrocos vive em um tempo passado. Mas na verdade, não é bem assim. É que em Marrocos, acontece a combinação perfeita entre tradição e modernidade, num país que é totalmente voltado para o futuro.

Na pratica temos Marraquexe que possui seus bairros e souks que conservam toda sua tradicionalidade e encanto, enquanto que no bairro de Guéliz e Hivernage as instalações e infraestruturas modernas ganham destaque. Pontos que fazem parte do processo do Marrocos.

Algo muito exemplar no Marrocos é o turismo responsável e sustentável com o meio ambiente e a as tradições do local. Tudo é pensando para o turista poder aproveitar o melhor e por isso existem hotéis para todo tipo de orçamento, que vão desde luxuosos resorts até pequenos e confortáveis hotéis e riads tradicionais nos centros das cidades.

Os habitantes das cidades vivem um estilo de vida com influências mediterrânicas, onde pequenas coisas vão construindo um dia-a-dia como nas práticas religiosas e nos alimentos. As festas e celebrações não param por todo o país e as principais são as Moussems. Estas são festas religiosas cheias de cores, danças e alegria. Para quem busca algo menos conservador, o Festival de música Gnaoua é o ideal porque nele tudo remete aos grandes festivais de músicas do ocidente, mas com toda cultura imaterial do oriente e África.

Uma viagem no Marrocos é a garantia de várias descobertas e muitas lições de vida. Não pense que lá o tempo parou. Pelo contrário, o tempo andou mais depressa e juntou a tradição ancestral, com um rico passado histórico, com o requinte que a modernidade tem. A sociedade moderna está inserida no país, assim como o Marrocos está inserido em vários aspectos da cultura ocidental.

Há álcool em Marrocos?

O consumo de álcool é proibido para os muçulmanos. Mas, Marrocos é um grande produtor de vinho e cerveja. Essa produção é em sua maioria para exportação ou para locais onde o público é estrangeiro.

Não é fácil consumir álcool fora dos grandes centros urbanos e quando encontrado as opções são caras. Turistas podem comprar, mas não podem exibir a bebida nas ruas. A maneira mais fácil de comprar uma garrafa de vinho é ir a um grande mercado como Carrefour, Marjane ou Acima.

Como é a comida no Marrocos?

Cultura Marrocos

A culinária diz muito sobre um lugar ou região e no Marrocos não é diferente. Para aqueles que gostam de comida bem temperada, o Marrocos é tudo que você precisa. Não tão apimentada como a comida indiana, mas é sempre bem temperada.

Em Marrocos existem todas as opções para todos os tipos de regime alimentar, desde as veganas até às sem glúten. Os grãos são a base da alimentação e são complementados com legumes e verduras. O pão é um alimento sagrado e por isso não é jogado fora – todas as sobras são utilizadas para alimentar gado e quando a família não tem gado, os restos de pão são trocados por produtos no comércio da cidade.

Comer usando as mãos é muito comum em Marrocos, mas sempre com a mão direita – comer com a mão esquerda e negar comer carne é algo considerado grosseiro.

Como é etiqueta à mesa no Marrocos?

Marraquexe Marrocos

As regras de etiqueta à mesa variam de acordo com a cultura de cada local. No Marrocos, quando há jantares comemorativos, a anfitriã convida todos para se sentarem à mesa dizendo Bismillah, que significa “em nome de Deus”.

Para iniciar, é costume todos lavarem suas mãos juntos à mesa. Nesse ritual, o filho mais velho dos anfitriões contorna a mesa da direita para a esquerda, lavando a mão de cada um dos convidados com um jarro de água morna na mão direita e uma bacia na mão esquerda.

O pai da família faz uma oração desejando uma boa refeição, muita paz e sorte.

Antes de servir o prato principal, os convidados começam deliciando um prato coletivo. Deve-se comer usando apenas três dedos da mão direita: o polegar, o indicador e o médio. Somente após esse desjejum é que pode-se comer à vontade a refeição central.

É curioso atentar-se a estes pequenos traços culturais durante o jantar, pois um pequeno gesto fora do habitual pode ser interpretado como grosseria. Por exemplo, é visto como ação mal educada, recusar carne vermelha e comer usando a mão esquerda. Portanto, atenção, canhotos que participarão de jantares no Marrocos, comecem a treinar para comer usando a mão direita!

Ao final da refeição, todos agradecem mais uma vez, dizendo Al Hamdu Lillah, que quer dizer “Graças a Deus”, lavam as mãos novamente de acordo com o ritual, tomam chá e aproveitam o momento de confraternização com muita conversa e animação.

É de bom tom aceitar o famoso chá marroquino, símbolo de hospitalidade. Não deixe de experimentá-lo!

Assim como o jantar marroquino tem muitas regras, há também muita fartura de cores, condimentos, variedade de pratos, entre eles, diversos tipos de sopas, espetos de carne, cozidos, massas e o tradicional cuscuz. Além das sobremesas de frutas frescas e pastéis com mel.

Turismo e tradição estão de mãos dadas?

Norte a Sul desde Tanger em Marrocos

Um dos festivais típicos mais famosos do Marrocos, transformou-se ao longo dos anos também numa curiosa atração turística internacional. Trata-se do Festival dos Casamentos, mais conhecido como “Agdud n Imilchil”, que ocorre perto de Imilchil nas Montanhas do Alto Atlas.

O festival teve origem numa lenda do povo berbere, em que dois jovens apaixonados tiveram seu romance proibido por seus pais porque pertenciam a vilas inimigas. Inconsolados, o casal chorou até morrer. Eles acreditam que dois lagos próximos a Imilchil foram formados por essas lágrimas.

Depois desse episódio, os berberes decidiram incentivar o amor e dar certa liberdade para os jovens escolherem seus parceiros, com a realização do chamado Festival do Casamento, que acontece todos os anos no mês de Setembro.

São três dias de muita animação numa grande festa ao ar livre, onde jovens comparecem com o intuito de encontrar futuros cônjuges, sempre com a supervisão dos pais para se certificar de que os rapazes têm boas intenções com suas filhas. Isso porque, apesar da suposta liberdade, as normas sociais locais são muito rígidas e conservadoras.

As famílias é que decidem se o pretendente é apropriado para as noivas. Em caso negativo, interrompe-se um aperto de mão ao rapaz sugerindo que ele procure outra noiva. De acordo com a cultura berbere, o fígado é o símbolo do amor já que um fígado saudável está ligado ao bem estar. Sendo assim, quando uma mulher aceita a proposta de casamento de um homem, ela diz que “prendeu o seu fígado”.

Estima-se uma média de 40 noivados celebrados por dia durante o festival. Os casais formados voltam ao festival no próximo ano para oficializar a união num casamento coletivo. Eles ainda conservam essa tradição apesar de muitas outras tribos já terem adotado os casamentos individuais, o que deixa o evento ainda mais especial.

Essa é uma manifestação cultural de suma importância na região, onde há muito misticismo, arte, música, dança, cores e comemoração. Devido à sua grande visibilidade e animação, o Festival des fiancés d’Imilchil atraiu os olhares de dezenas de turistas ao redor do mundo que visitam a aldeia durante a época da festa anualmente.

Você sabe o significado da bandeira do Marrocos?

Perguntas sobre a cultura no Marrocos

A bandeira de cada país revela as principais características do lugar, criando uma identidade exclusiva, além de serem cheias de significados por meio dos elementos apresentados.

O Marrocos alterou o desenho de sua bandeira várias vezes ao longo da história. A bandeira da época da Dinastia Idríssida no período 780-974 é completamente diferente da bandeira que vemos hoje, usada desde 1915.

Antes de 1915, na Dinastia Alauita do século XIX, a bandeira era completamente vermelha, assim como a de outras bandeiras de países árabes naquele tempo.

A atual bandeira do Marrocos continua toda vermelha porém acrescida de uma estrela de cinco pontas verde ao centro, que foi incluída por sugestão de colonizadores franceses com o intuito de diferenciá-la das demais.

Esse pentagrama simboliza vida, sabedoria, paz, saúde e o “Selo de Salomão”. O Selo de Salomão, por sua vez, é o símbolo que o rei Salomão usou em um anel para ter autoridade, proteção e poder provenientes de Deus abrindo as portas de suas maiores conquistas e riquezas. Portanto, representa o poder de Deus sobre o mundo e todas as coisas. Sendo assim, acredita-se que esse símbolo tenha poderes mágicos.

O Selo de Salomão é muito parecido com a Estrela de David. Cuidado para não confundi-los. A diferença entre os dois está na sobreposição dos triângulos. Enquanto na Estrela de David eles se sobrepõem, no Selo de Salomão as formas se entrelaçam.

O significado dos símbolos também é distinto. Os símbolos da Estrela de David são de união entre os opostos, entre feminino e masculino no ato da geração de vida, ligação entre céu e terra e proteção.

A cor verde do pentagrama na bandeira se deve a referência ao islamismo, religião predominante no país. Já a cor vermelha do fundo da bandeira representa a descendência da família real do profeta Maomé.

É preciso aceitar o chá marroquino quando alguém oferece?

chá marroquino

O consumo de chá no Marrocos vai além do simples prazer em tomar uma bebida saborosa. O ato representa também hospitalidade e tradição de um convívio social e os marroquinos têm grande orgulho desse costume.

O chá pode ser servido em variados momentos do dia com alta frequência, sobretudo quando se recebe visitas em casa ou em lojas.

Segundo a história, foram os ingleses que introduziram o chá no país. No século XVIII foi encontrado um carregamento de chá vindo da Ásia nos portos marroquinos. Desde então, criou-se o hábito de consumir chá em todo o Marrocos.

Os chás mais conhecidos são o chá de menta, mais consumido no Norte do país, chá verde e ainda a mistura dos dois, mais frequentes no Sul.

O chá de menta é bastante suave, doce e refrescante e ainda possui propriedades terapêuticas e analgésicas que fazem bem ao organismo. Este facilita a digestão, alivia a dor de cabeça e ansiedade, contribui no tratamento de asma e alergias.

O chá verde também traz vários benefícios à saúde uma vez que é diurético, relaxante e purifica o sangue quando feito sem açúcar. Ficou famoso no restante do mundo devido às promessas de emagrecimento e vida saudável.
Podem ser servidos mornos, quentes ou frios, a gosto de quem irá beber.

A preparação dos chás é feita em um bule tradicional, cheio de curvas em material de latão ou banhado a prata. Ao invés de xícaras, os chás são servidos em copos de vidro bem coloridos e detalhados, tornando a experiência ainda mais especial. É recomendável reservar um bule exclusivamente para cada chá para que os aromas de outros chás não interfiram no sabor dos ingredientes originais.

Não seja indelicado, aceite o chá!

Recusar chá quando lhe é oferecido pode ser entendido como um ato indelicado. No entanto, se a pessoa for diabética vale avisar já que considerável quantidade de açúcar faz parte da receita.

Quando for ao Marrocos aproveite para comprar os utensílios originais nas lojas e os ingredientes frescos nos mercados e reproduza para seus amigos em casa, compartilhando com o mundo essa experiência tão curiosa e agradável.

Abrir chat
Posso ajudar?
Oi, sou o Omar, e estou aqui para ajudar você a reservar sua viagem no Marrocos. Venha daí! Como posso ajudar?